Arquivo de julho de 2009

GT do Usina propõe mais de 40 temas

4 Comentários » sexta-feira, 3 de julho de 2009

Mesmo com o frio e a garoa, a terceira reunião do GT do Usina, que aconteceu ontem, quinta-feira, 2, às 20h, foi bastante produtiva. Embora desfalcados – porque alguns não resistiram às intempéries do clima –, os usineiros se encontraram para discutir novos temas para o evento de outubro.

Como estava combinado, já no começo do encontro foi apresentado o vídeo de divulgação do evento, que estreou um dia antes, junto com o site do Usina. Na sequência, foram novamente as possíveis oficinas do próximo Usina que dominaram as discussões.

Falou-se de cotas e políticas afirmativas, aborto, cinema, urbanismo, cultura de paz, liderança feminina, maioridade penal e mais um tanto de outros assuntos que poderão ser tratados no nosso evento. Junto com as temáticas propostas na reunião passada, são 43 sugestões. Ou seja, já tem trabalho de sobra para o passo seguinte: pensar em quem serão os oficineiros (ou palestrantes, se preferir) pra esses temas.

Os usineiros também aproveitaram o tempo pra começar a discutir alguns dos possíveis nomes pro show de encerramento do Usina, um do momentos mais legais do encontro.

As próximas reuniões deste mês ficaram marcadas para às quintas-feiras, dias 23 e 30, às 20h, no 5º andar da Câmara, sala 514. Não é preciso nem dizer que o convite tá feito, né?

Aliás, se você não tiver tempo de vir às reuniões do GT, aproveite o espaço dos comentários pra sugerir algum assunto que você acha que o Usina 2009 não pode deixar pra trás.

Tudo até aqui…

Nenhum comentário » quarta-feira, 1 de julho de 2009

“Tudo até aqui” é o canal onde você poderá saber de tudo o que rolou no Usina 21 até este ano de 2009.

Aguarde, pois nossos usineiros estão trabalhando pra isso acontecer.

Pra quem tem um parafuso a mais

3 Comentários » quarta-feira, 1 de julho de 2009

Post de estréia aqui no novíssimo site do Usina 21! – Pra quem não sabe, as engrenagens do Usina já começaram a se movimentar: as reuniões do Grupo de Trabalho (GT) do encontro estão a todo o vapor, discutindo o evento desse ano.

reuniao_gtNa quinta-feira, 18 de junho, representantes de movimentos de juventude, líderes de jovens de diversas denominações evangélicas, estudantes, ongueiros e afins reuniram-se na Sala Tiradentes, 8º andar da Câmara Municipal de São Paulo, para trocar idéias sobre alguns dos que poderão ser os temas da próxima edição, em outubro, no Mackenzie.

O vereador Carlos Bezerra Jr., principal idealizador do Usina, também participou das discussões. O parlamentar contou como surgiu a idéia de criar o evento, em 2002, para diminuir as distâncias entre a juventude cristã e o engajamento social (se quiser, conheça mais dessa história na seção “Evento”), e citou as experiências nos Usinas anteriores.

Depois da introdução, foram os usineiros que tiveram a palavra. Cada um falou um pouco do que é o Usina. Um espaço para debates, para provocar novas atitudes nos jovens evangélicos, um encontro de pluralidade, de liberdade, de inclusão, um lugar em que se pode discutir o que não se fala dentro das quatro paredes das igrejas – foram alguns dos predicados apontados.

Na sequência, os participantes sugeriram temas para a próxima edição do encontro. Crise econômica, empreendedorismo social juvenil (e como isso pode funcionar na igreja), mapa de juventude (estudo que mostra as principais necessidades dos jovens em cada região da cidade), trabalho e desemprego, meio ambiente (que despertou uma discussão “calorosa”), política, comunicação, universidade, metas e objetivos dos jovens, e modernidade.

O próximo encontro do GT está marcado para o dia 2 de julho, no mesmo local, às 20h (sem atrasos!). Pra participar, não precisa ser líder de jovem, estudante, intelectual, crente o qualquer coisa do tipo, basta ter um parafusinho a mais e acreditar na transformação social de seu bairro, cidade ou coisa assim, ok? Se for o seu caso, você pode já ser um usineiro (mesmo sem saber)! Então, o convite está mais que feito! Anote o endereço: Vd. Jacareí, n° 100, Bela Vista – Câmara Municipal de São Paulo, 8º andar, Sala Tiradentes.

Usina 21 | s. f.

2 Comentários » quarta-feira, 1 de julho de 2009

É sempre assim, quem organiza o Usina, que passa um tempão cuidando do evento, tem muito mais olhos pras qualidades do que pros eventuais “probleminhas”, digamos assim, que o evento possa ter. É meio aquela coisa da mãe falando do filho caçula, sabe? Enfim, pra apresentar o evento e não corrermos o risco de exagerar nos elogios, chamamos três usineiros sortidos, que vão responder algumas perguntas sobre o encontro, falando o que vier à cabeça.

André Belo, 23, é líder regional de jovens da igreja O Brasil Para Cristo de Ferraz de Vasconcelos. Trabalha em banco, é formado em gestão de marketing e faz pós em liderança corporativa. Esse vai ser seu segundo Usina. Camila de Rezende é ongueira. Ela é voluntária da ong Makanudos de Javé. Apesar de complicado, o nome é lembrado rapidinho por um tanto de crianças das escolas municipais que ouvem as palestras de prevenção ao abuso sexual ministradas pela organização cristã. Camila tem 20 anos, estuda publicidade e é usiniera de primeira viagem. Já Flávio Pinheiro é usineiro veterano: participou de todas as edições, desde 2002. Ele tem 28 anos, é professor de história e filosofia de rede pública estadual de ensino e vem da Presbiteriana do Brasil. São eles que respondem à entrevista abaixo.

Usineiros

Usina, pra você, é…
ANDRÉ – Uma chance de explorar aquilo que eu não havia explorado. É uma oportunidade pra enxergar que a Igreja “corpo” precisa estar fora da igreja “templo”.
CAMILA – Um lugar onde jovens cristãos podem saber o que está acontecendo na sociedade, e perceber como se organizar e que atitude tomar para transformar a sociedade em que a gente vive.
FLÁVIO – O espaço da diversidade evangélica de São Paulo.

Como conheceu o evento?
ANDRÉ – O líder de jovens de minha igreja foi convidado pra edição do ano passado, mas não pôde ir. Eu e mais um amigo fomos para representá-lo e acabamos nos identificando muito com a proposta.
CAMILA – Já tinha ouvido na faculdade, mas conheci melhor o encontro no contato com o gabinete do vereador Carlos Bezerra Jr.
FLÁVIO – Foi um amigo do trabalho que me falou do evento. O curioso, é que, no fim, eu acabei indo e ele não.

Qual a principal qualidade do evento?
ANDRÉ – No Usina, a gente dá de cara com algumas realidades que fingimos que não existem na igreja.
CAMILA – A diversidade de temas. Tem assuntos pra todos os gostos e opções.
FLÁVIO – Ele estimula nossa formação crítica, o que só é possível quando temos acesso a novos e diferentes conhecimentos.

E um defeito?
ANDRÉ – Acho que poderíamos melhorar a nossa política com os voluntários, pra que ninguém se sinta preterido ou mal aproveitado.
CAMILA – Acho que poderia ser mais divulgado.
FLÁVIO – Já que a gente estimula a diversidade, o underground e tal, acho que a gente tem que abrir espaço também aos tradicionalistas.

O que espera da próxima edição?
ANDRÉ – Que seja muito mais abrangente, envolvendo classes diferentes, lugares diferentes, e que possa trazer impacto pra uma geração que assiste a tudo meio que anestesiada. Espero que esse Usina tire muita gente do lugar.
CAMILA – Novos temas, com diferentes visões e que seja um evento “de jovem pra jovem”.
FLÁVIO – Que seja exatamente como as outras, mas que alcance mais gente ainda.***

PS: Quem quiser aproveitar o espaço dos comentários para responder a essas perguntas, à vontade.